Fiat incenso

E no princípio era o verbo. E do verbo fez-se o perfume. E faça-se o incenso! E ele se fez. E o nome dele é Incense Avignon (Comme des Garçons). E digo mais: não tem melhor! Tá pra nascer incenso mais lindo, mais soturno, mais religioso, mais tudo. Do tipo que tem o tamanho da Basílica de São Pedro, que vai na missa medieval todo domingo, que fala latim e tudo. É botar na pele e ouvir os monges ao fundo entoando canto gregoriano.

Enfim, sou de uma família italianíssima catolicíssima, portanto fui criada você sabe como. Pulei fora quando cresci, mas os ritos e os mitos me são bem vivos na cachola. De modo que passei Avignon e lá estava eu tremendo de medo diante do Papa Gregório IX, o tal que instituiu a Inquisição. Ok, mas vamos falar de coisa boa. Vamos falar da TekPix.

E o que temos por ora? Temos láudano, especiarias, patchouli, almíscar, musgo de carvalho, cedro, camomila, pau-brasil, mirra, olíbano, incenso, elemi, baunilha e ambreta. É ou não é dos deuses? Ops, de Deus? Avignon pede monoteísmo, né, gente?

Ele nos traz incenso floral, adocidado, florestal, úmido, ambarado, enfumaçado e delirante tudo ao mesmo agora. Ele é igreja antiga, experiência olfativa, arte. 

Pois bem, pra você entender o poder da coisa, apliquei Avignon, meu cachorro chegou perto, curioso pra cafungar, e espirrou. Dominus tecum, Ufo! E olha que ele curte os meus perfumes e não faz atchim por qualquer coisa. O bicho (e aqui eu me refiro ao perfume) é power!

Mas, óh, ele pede temperatura baixa, viu, gente? Nada de sambar na cara da sociedade borrifando Avignon em pleno verão, please! Quem faz isso vai direto pra fogueira! Gregório IX tá de olho!

Comentários

  1. Eu teria que responder em latin para fazer jus ao Eau de sacristia.
    Já li várias opiniões sobre o Avignon e todos foram unânimes: Igreja com muita defumação de turíbulo dentro de um frasco, a melhor representação religiosa em forma de aroma.

    Tenho curiosidade nele a tempos. Não sei se conseguiria usar. Adoro incenso, mas toda vez que uso algum perfume mais incensadinho já me perguntam que se eu fui em terreiro de umbanda...

    Mas conhecer, quero muito! Bjsss Van!

    ResponderExcluir
  2. De fato, o Avignon (que me foi apresentado pelo Denis) é a representação do que imagino ser a renomada Basílica. Toda sua beleza e esplendor representado no seu aroma mágico, místico e sacro! Não sou católica e muito menos conheço seus ritos, mas acredito que as santas exalem esse aroma... E do Gréghoryy estou fugindo, junto com vc!

    ResponderExcluir
  3. Sim!! o bicho é incenso seco! A imagem é uma só, a do padre perambulando pela igreja escura com um turíbulo. Amo!!
    Quem te apresentou a ele?
    bjusss

    ResponderExcluir
  4. Carla, eu acho que você usaria ele numa boa no inverno, viu? E ele não tem nada de terreiro. Nadinha. Mas é claro que sempre vai ter alguém pra criticar, né? Liga não.

    Diana, mágico define.

    Lily, divino, né? Conheci pelo Dênis.

    ResponderExcluir
  5. Não entendi porque tem a palavra Fiat no título. Boiei.

    Na verdade você já deve ter notado que geralmente entendo só 1/3 das suas resenhas, mas já me acostumei. Cada post é um novo desafio. Adoro puzzles. kkk :)

    ResponderExcluir
  6. Helen, foi uma brincadeira com a expressão bíblica "fiat lux" ("faça-se a luz").

    ResponderExcluir
  7. Interessante. Fui bastante católica durante mais de 20 anos, mas por aqui as expressões em latim são pouco conhecidas e até evitadas pelo clero para não gerar distanciamento com o povo. Os goianos em geral são descendentes de portugueses e indígenas, então a gente só entende o português de índio mesmo: "me dá essa água aí pra mim beber". kkk

    ResponderExcluir
  8. Xi, Carla, desencana. Já ouvi mil vezes que estava cheirando a 'casa de macumba', até usando o Tutti Dolci... Eita cada de macumba cheirosa, me conta o de é que irei lá todos os dias...

    ResponderExcluir
  9. Helen, aqui também o latim fica de lado. No mais, nos meus tempos de católica eu não era nada praticante (pelo contrário, mas é melhor eu ficar quietinha). rs

    Diana, num é? Sempre vai ter alguém pra reclamar. O lance é não ligar pros outros.

    ResponderExcluir
  10. "eau de sacristia" kkkkkkkkkkk
    Ouvi a música dos monges aqui também. Experiência zero com perfumes "incensados" (é essa a expressão?) Bjos

    ResponderExcluir
  11. Lu, é essa sim. E, menina, não tem coisa melhor no friozinho, sabe? Se estiver nublado, melhor ainda. Acho que combina tanto.

    ResponderExcluir
  12. Incense Avignon é rito de passagem perfumístico, todo mundo tem que provar essa delícia. O Terre d'Hermès tem um incenso bonito tbm, num outro caminho de sensação.

    Eu não sou católico, não fui batizado, mas o ritual é tão bonito, se a igreja for bonita, se a música for boa, se for em latim ou outra língua (o lance é não entender e reforçar o mistério), viro católico rapidinho.

    Hoje estava sentindo um essencial de olíbano e é lindíssimo, dá aquela impressão de abrir as vias respiratórias, sabe? Nós, os portadores de rinite alérgica, gostamos.

    ResponderExcluir
  13. Dênis, sou doida pra conhecer o Terre, sabia? E Avignon é transcendental! E, putz, só de te ler com seu olíbano aí meu nariz já desentupiu. Sérião. rs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bora comentar aqui embaixo? Se joga!
Com classe, por favor!